top of page

Ereshkigal - A Senhora do Inferno


Na mitologia mesopotâmica, Ereshkigal (sumério: 𒀭𒊩𒌆𒆠𒃲 DEREŠ.KI.GAL, lit. "Rainha da Grande Terra") era a deusa de Kur, a terra dos mortos ou submundo na mitologia Suméria . Em mitos posteriores, dizia-se que ela governava Irkalla ao lado de seu marido Nergal. Às vezes, seu nome é dado como Irkalla, semelhante à forma como o nome Hades era usado na mitologia grega para o submundo e seu governante, e às vezes é dado como Ninkigal, lit. "Senhora da Grande Terra". Ereshkigal era apenas uma das várias divindades consideradas governantes do submundo na Mesopotâmia. O principal templo dedicado a ela estava localizado em Kutha, uma cidade originalmente associada a Nergal, e seu culto tinha um escopo muito limitado. Nenhum nome pessoal com "Ereshkigal" como elemento teofórico é conhecido. No antigo poema sumério Inanna's Descent to the Underworld, Ereshkigal é descrito como a irmã mais velha de Inanna. No entanto, eles não eram comumente associados entre si. Os dois principais mitos envolvendo Ereshkigal são a história da descida de Inanna ao Mundo Inferior e a história do casamento de Ereshkigal com o deus Nergal. Outros mitos também a associam a deuses como Ninazu, originalmente considerado seu marido, mas mais tarde um filho, e Ningishzida.


Na mitologia suméria, Ereshkigal era a rainha do submundo. Alguns pesquisadores acreditam que Ninazu originalmente cumpriu essa função, com Ereshkigal apenas se tornando um governante significativo da terra dos mortos na imaginação suméria em um momento posterior. No entanto, as crenças relacionadas a esta esfera eram um tanto amorfas, e é possível que inicialmente não houvesse uma única versão universalmente aceita de conceitos míticos e cultuais relevantes, com várias divindades, tanto masculinas quanto femininas, governando o mundo subterrâneo nos sistemas de crenças de várias áreas e períodos de tempo. Em listas posteriores de deuses da Babilônia, Ereshkigal detinha um status sênior entre as divindades do submundo, governando a categoria dos chamados "deuses cobra transtigridiana" (como Ninazu, Tishpak, Ishtaran e o deus elamita Inshushinak, na Mesopotâmia, conhecido quase exclusivamente na vida após a morte contexto), enquanto Nergal, que cumpria funções análogas no norte na época dos sumérios, tinha uma comitiva de deuses menores de guerra e demônios de doenças. A ideia de Nergal e Ereshkigal como um casal provavelmente surgiu da necessidade de reconciliar as duas tradições. O sukkal de Ereshkigal (vizir ou mensageiro) era Namtar. Embora obscuro em textos de culto, Ereshkigal foi proeminente na literatura mítica. Exemplos de mitos nos quais ela desempenha um papel importante incluem:


Inanna's Descent to the Underworld (A descida de Inanna ao submundo)


Neste poema, a deusa Inanna desce ao submundo, aparentemente procurando estender seus poderes lá. Ereshkigal é descrito como sendo a irmã mais velha de Inanna. Quando Neti, o guardião do submundo, informa a Ereshkigal que Inanna está nos portões e exigindo entrada, Ereshkigal responde ordenando que Neti feche os sete portões do submundo e abra cada um separadamente, mas somente depois que Inanna remove um artigo de vestuário. Inanna passa por cada portão, removendo uma peça de roupa em cada portão, e também perde seus itens mágicos para uma ninfa no decorrer da jornada. Finalmente, depois de passar por todos os sete portões, ela se encontra nua e impotente, diante do trono de Ereshkigal. Os sete juízes do submundo julgam Inanna e a declaram culpada. Inanna é morta e seu cadáver está pendurado em um gancho no submundo para que todos vejam. O ministro de Inanna, Ninshubur, no entanto, implora a vários deuses e, finalmente, Enki concorda em resgatar Inanna do submundo. Enki envia dois seres assexuados ao submundo para reviver Inanna com a comida e a água da vida. Esses seres escoltam Inanna do submundo, mas uma horda de demônios furiosos segue Inanna, exigindo levar outra pessoa para o submundo para substituí-la. Eles inicialmente querem que seja Ninshubur, mas Inanna repreende esta ordem, afirmando que ela não vai entregar um subordinado leal a eles. No entanto, quando ela descobre que seu marido, Dumuzid, não lamentou sua morte, ela fica irada com ele e ordena que os demônios o tomem como seu substituto. Diane Wolkstein argumentou que Inanna e Ereshkigal representam pólos opostos: Inanna é a rainha do céu, mas Ereshkigal é a rainha de Irkalla



Casamento com Nergal


Este mito conta a história da origem do casamento de Ereshkigal com Nergal. Duas versões são conhecidas, embora elas difiram apenas em detalhes relacionados à motivação das divindades envolvidas e tanto a estrutura do enredo quanto o resultado final são os mesmos. Certa vez, os deuses ofereceram um banquete ao qual Ereshkigal, como rainha do submundo, não pôde comparecer. Kaká, um dos mensageiros de Anu (análogo a Papsukkal ou Ninshubur) a convidou a enviar um mensageiro, e ela enviou seu vizir Namtar em seu lugar. Ele foi bem tratado pela maioria, com exceção de Nergal, que tratou Namtar com desrespeito. Como resultado disso, Ereshkigal exigiu que Nergal fosse enviado ao submundo para expiar. Em uma versão, ela planejou matar Nergal ao chegar ao submundo, mas esse detalhe está ausente nas outras versões. Nergal viaja sob o conselho de Ea, que o avisa para não se sentar, comer, beber ou se lavar enquanto estiver no submundo, bem como não fazer sexo com Ereshkigal. Seguindo seu conselho, Nergal viaja para o submundo junto com 14 demônios. Quando ele chega, o porteiro Neti recebe ordens de Ereshkigal para deixá-lo passar pelos sete portões, despindo-o de tudo antes de chegar à sala do trono, mas em cada portão, Nergal posta dois demônios. Embora Nergal não tenha problemas em respeitar todas as outras advertências, o deus sucumbe à tentação e fica com a deusa por seis dias. No sétimo, ele foge de volta para o mundo superior, o que deixa Ereshkigal chateado. Namtar é então enviado para trazer Nergal de volta, mas Ea disfarça Nergal como um deus menor e Namtar é enganado. Ereshkigal finalmente percebe o engano e exige que Nergal volte novamente, ameaçando abrir os portões do submundo e permitir que os espíritos dos mortos invadam o mundo dos vivos se suas exigências forem ignoradas. Os deuses concordam em entregar Nergal para ela novamente. Na mesma versão em que Ereshkigal planejava matar Nergal, quando ele chega ao trono, ele derruba Namtar e arrasta Ereshkigal para o chão. Ele está prestes a matá-la com seu machado quando ela implora por sua vida; ela promete ser sua esposa e compartilhar seu poder com ele. Ele consente. No entanto, Nergal ainda deve deixar o submundo por seis meses, então Ereshkigal lhe devolve seus demônios e permite que ele atravesse o mundo superior por aquele tempo, após o qual ele retorna para ela. Na outra versão, conhecida a partir de duas cópias, o mito tem um final menos violento: segundo a assirióloga Alhena Gadotti, "as duas divindades parecem se reunir e viver felizes para sempre", e o mito se conclui com a linha "elas entraram impetuosamente no quarto de dormir. " Em ambas as versões, Nergal acaba se tornando um rei do submundo, governando ao lado de Ereshkigal.



Fontes: WILKINSON, Philip & PHILIP, Neil, Quem é quem na mitologia. in: __________, Guia Ilustrado Zahar de Mitologia. Rio de Janeiro/RJ: Zahar, 2008. Cap. VIII, p. 341. Templo de Apolo.net, wikipedia
140 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bình luận


bottom of page